28 de ago de 2010

POLITICOZINHOS

E já que agora os comediantes estão liberados a fazer piadas sobre as campanhas eleitorais, falemos de política. Aliás, como não tocar nesse assunto tão magnífico quando somos bombardeados por todos os meios possíveis (bom, exceto SMS — pelo menos eu nunca recebi nenhum torpedo-santinho, ops, escapou aí uma ideia maravilhosa que não devia ter escapado) todos os dias...

1- O Serra vai mesmo passar a campanha toda atacando a Dilma? Jesus, isso é uma das coisas mais vomitantes no programa dele. Esta semana ele atacou inclusive o fato de ela ser mulher — dá pra ser mais baixo? Lógico, tudo muito bem maquiado, com depoimentos de populares dizendo: "Não é porque a Dilma é mulher que ela não pode ser uma boa presidenta, até porque eu também sou mulher, mas não vou votar nela". Gente do céu, será que ninguém percebe que isso é preconceito (mal) mascarado? Vergonhoso.

2- Pra não dizerem que quero fazer campanha a favor do PT, tudo bem, vou lembrar do lamentável episódio envolvendo a Marta Suplicy e o Kassab, quando aquela fez destacar ao eleitor que este não seria um bom prefeito pelo fato de não ser casado nem ter filhos. Bom, vocês já sabem... Mas isso é da eleição passada. Concentremo-nos nesta e passemos ao 3º item.

3- Ainda sobre o Serra. Péssimo aquele cenário com fundo de favela, hein? Aliás, péssima toda essa tentativa de fazer o cara parecer "do povo". Por que que no Brasil as pessoas têm que parecer humildes, meu deus do céu? Que custa ele assumir que mora no Alto de Pinheiros de uma vez? Mas não, precisa dizer que estudou em escola pública (como se a elite toda da época também não tivesse estudado). Haja! Chega a ser tão falso que as imagens produzidas são, no mínimo, divertidas, como uma que o Fred postou uns dias atrás e eu publico aqui novamente:


4- Deputados. Pra que servem mesmo? É o que o Tiririca promete descobrir caso seja eleito. Mais uma campanha triste. Triste porque talvez ele tenha razão — é bem possível que a maioria da população não saiba o que faz um deputado. E pra que esse povo tem que votar então? Voto facultativo já! Pra dizer o mínimo, isso pouparia milhões dos cofres públicos... Mas voltando ao Tiririca, sabem que não vejo muita diferença entre ele e os outros milhares de candidatos? A não ser, lógico, pela roupa de palhaço. Mas gente, que propostas têm essas pessoas? "Desconto para quem paga em dinheiro", "internet sem fio grátis em todos os lugares" ou o clássico "saúde e educação" repetido às toneladas... Dá mesmo pra confiar em pessoas assim?

5- Bom, talvez o que precise mudar seja esse formato bizarro que tem a propaganda eleitoral para deputados e vereadores... É inadmissível que os candidatos estejam mais preocupados em fazer com que a população apenas memorize um número para digitar na urna. E chovem jingles, animações, enquanto o candidato fica de boca calada. Tudo bem o tempo é curtíssimo — por isso que estou dizendo que já está mais do que na hora de mudar isso.

6- Por falar em jingles, alguém me explica a candidatura do KLB? O que eles querem? Um salário de 15 mil reais por mês? Mas já não são ricos? Pior de tudo é o lema de campanha: "Abaixo a pedofilia". Até agora não entendi o que tem o c* a ver com as calças... E Mara Maravilha, pedindo votos pro marido? Mas peraí, ela não era casada com o Paulinho maquinista do programa?

7- Continuando na farândula, falemos do Ronaldo Esper, cuja candidatura foi tão surpresa quanto a de inúmeras personalidades. A primeira coisa que eu pensei quando vi a propaganda dele foi: "Mas quem vai votar em alguém que rouba vasos?". E não é que agora ele pegou esse detalhe de seu histórico como mote de campanha. Tá dizendo que vai pra Brasília quebrar todos os vasos ruins da política. Santos redatores publicitários!

8- Aliás, de alguma forma temos que tirar o chapéu sim para os publicitários brasileiros. Eles conseguiram fazer até a Dilma ficar simpática e bonachona nessa campanha.

9- Outra coisa bizarra da campanha do PSDB, só que agora para governador de São Paulo (leia-se Alckmin): ou muito me engano, ou o Rodoanel sempre foi um dos grandes pilares das candidaturas do partido desde a época do Covas? Afinal, o Rodoanel não se chama justamente Governador Mario Covas? E agora vem o Alckmin dizendo que vai terminar o Rodoanel... como se já não devesse ter terminado. Bizarro! Ele fala com um tom de que é "homem que faz", mas no caso uma coisa que ele mesmo não fez.

10- Pra terminar (até porque uma hora preciso parar de escrever — como rende esse assunto!), outra coisa que me parece absurda é a quantidade de placas espalhadas pela cidade (agora em caráter transitório, daquelas que podem ser removidas a qualquer momento). Isso não era proibido? Aliás, só sendo babaca mesmo pra votar em alguém que suja a cidade e agride o meio ambiente. Não é por nada não, mas o PV é um dos partidos campeões nesse tipo de publicidade, pelo que tenho visto. Juro que morro de vontade de sair com estilete por aí cortando a cara dos candidatos nos banners. Como este aí de baixo: o Erô. Aliás, o que é esse homem? Um neo-Clô? Se tiver alguma semelhança com o saudoso, talvez até ganhe meu voto...

2 comentários:

Lucas disse...

É, Denis, o tom de que ser de indignação mesmo. E os marketeiros da Dilma estão de parabéns! O rolo compressor virou mãezona!

Aline V. disse...

Li vários posts do seu blog e gostei muito, parabéns :)
Linkei você, ok?
Abraço!